Buracos Negros, a ciência te explica


buracos-negros

Neste artigo veja: Buracos Negros, a ciência te explica.

Separamos este artigo especialmente para você que, em primeiro lugar, possa se inspirar e absorver mais conhecimento.

Buracos negros no espaço são uma icógnita

Se até Albert Einstein duvidou de sua existência, quem somos nós?

A prova disso é uma declaração que ele fez em 1939 em um famoso artigo onde ele afirmou muito claramente que os buracos negros não existem.

Estudos posteriores, porém, provaram o contrário, que a morte das estrelas adquiriu a existência desses misteriosos buracos.

A formação de uma estrela é essencialmente uma bola de gás comprimida com uma enorme quantidade de energia.

Em teoria, os buracos negros podem ser de qualquer tamanho; de microscópicos a gigantescos, tendo três características específicas: massa, spin e carga.

Contudo, a fusão nuclear dentro das estrelas é o que produz essa energia.

Então, se uma estrela for muito massiva, 20 vezes a massa do sol, e começar a perder energia, ela se transformará em um buraco negro.

É, portanto, um objeto espacial muito denso, ou seja, tem muita massa e pouco volume, o que exerce uma força gravitacional muito forte.

É tão poderoso que pode até absorver luz, daí o nome buraco negro.

Não é uma atmosfera acolhedora dentro desta estrela, porque certamente não sobreviveríamos a esta viagem.

Como resultado, a gravidade exerceria uma força irresistível e o corpo seria desmontado à força.

No entanto, qualquer objeto que se aproxime do buraco negro se transformará em um gerador de raios X ambulante, porque a emissão de raios X é muito alta nesse meio espacial.

Assim, qualquer forma de matéria e energia que passa pela região próxima ao buraco negro fica permanentemente presa.

Você também pode gostar:

Vai mais um pouco de curiosidade aí?

Compartilhe nosso conteúdo!

Quantas estrelas ⭐⭐⭐⭐⭐ este artigo merece?

5/5 - (1 vote)